A primeira edição do EPCA começa com painel de grupo de pesquisa e mesa de abertura

Foto: Raoni Arraes/EPCA

Com o tema “Os Desafios da Pesquisa em Comunicação na Amazônia,” o EPCA 2017 deu início à sua programação nesta quarta-feira (22), com o seu Painel de Grupos de Pesquisa, contando com pesquisadores de diferentes programas. “O encontro proporciona a aproximação entre as instituições e que os grupos de pesquisa trabalhem de forma mais integrada e essa integração contribui para o crescimento e desenvolvimento na pesquisa na região”, declarou o pesquisador Carlos André Mattos.

O painel contou com a presença dos pesquisadores Carlos André Mattos (PPGGPD/UFPA), do grupo de pesquisa “Capital social e cultural no contexto midiático contemporâneo”, Célia Amorim (PPGCom/UFPA), do grupo “Mídias Alternativas na Amazônia”, Otacílio Amaral (PPGCom/UFPA), do grupo “Laboratório de Pesquisa Midiática na Amazônia” e Alda Cristina Costa (PPGCom/UFPA), do grupo “Narrativas Contemporâneas na Amazônia Paraense”.

O mediador Jessé Santa Brígida, aluno do PPGCom, acredita que o painel possibilitou a interação e o conhecimento sobre as pesquisas dos programas da região. “O evento é um marco importante para a pesquisa na Amazônia, por ser o primeiro painel que abre diálogo com os grupo de pesquisa locais,” acrescenta o discente.

No turno da tarde, com mediação de Elaide Martins, coordenadora do PPGCOM da Universidade Federal do Pará, o EPCA promoveu um debate a respeito do tema: Os Desafios a Pesquisa em Comunicação na Amazônia, apresentado na mesa de abertura do evento. Para cumprir o objetivo de congregar professores, estudantes e interessados pela produção acadêmica de assuntos relacionados à comunicação, a mesa reuniu os professores da Unama Leandro Lage e Luiza Azevedo, a professora do NAEA-UFPA Ana Prado e os pesquisadores Luís Munaro, professor da Universidade Federal de Tocantins e Cynthia Mara Miranda da UFT.

Para Cynthia Mara Miranda, representante do Programa de Pós-graduação da Universidade Federal de Tocantins, a busca pelas respostas aos desafios enfrentados na Amazônia seria por meio do pensar coletivo e de estratégias que permitam o diálogo como o EPCA se dispõe a realizar, assim como, eventos que seguem sua mesma linha de raciocínio. Ainda refletindo sobre os desafios da pesquisa, o professor da Unama Leandro Lage, diz que um dos caminhos para lidar com esse problema é a solidariedade acadêmica, onde muitas das vezes é deixada de lado, e assim esquecendo de praticar a interação conjunta afim de pensar nos interesses comuns e nos olhares divergentes. Para Leandro, o evento tem importância significativa no meio acadêmico. “A iniciativa de promover esse tipo de evento está não apenas no objetivo de promover certificados, mas sim de produzir relações, interações e experiências”, afirmou o professor.

O encontro finalizou com as considerações da professora e mediadora Elaide Martins sobre a questão geográfica da Amazônia. “Precisamos considerar a nossa localização geográfica, pois ela interfere na nossa profissão cientifica”, afirmou Elaide. A professora explicou ainda que na Amazônia há uma carência em faculdades de comunicação e cursos de pós graduação, ao contrário do sul do país, que possui vários programas de pós graduação, ainda que em questões de território seja menor, promove eventos com mais frequência e onde a mobilidade é muito mais fácil. “Eventos como o EPCA e encontro de pesquisas na nossa região são muito importantes para debates e relações de estudantes e professores”, disse Elaide Martins.

A primeira etapa do Encontro de Pesquisa em Comunicação na Amazônia, encerrou com uma mesa de coquetel. A programação continua nos dias 23 e 24, com apresentação de Grupos de Trabalhos (GTs), lançamento de livros e apresentação de Pôster.

Por Ana Carolina Limão, Bruna Taís Rocha, Carolina Neves, Raquel Brasil e Krisllen Coelho.

Deixe uma resposta