Um tango à beira do abismo
Por Raoni Arraes

Um tango à beira do abismo

Foto Raoni Arraes

Comunicação, política e democracia em tempos sombrios”. A união entre o título da matéria e as aspas inicias formam o todo do tema da palestra do professor doutor Wilson Gomes, titular da Pós-Comunicação da Universidade Federal da Bahia (PósCom/UFBA), no encerramento das palestras do II Encontro de Pesquisas em Comunicação na Amazônia (EPCA 2108), no auditório do Centro de Eventos Benedito Nunes (Hangarzinho), na Universidade Federal do Pará (UFPA) na tarde/noite desta sexta-feira, 23 de novembro.

O evento reuniu, durante três dias consecutivos, no Sesc Boulevard (21), na Universidade da Amazônia (22) e UFPA, professores da Pan-Amazônia, estudantes da graduação e pós-graduação, conectados com a comunicação, de várias instituições de ensino superior. As tensões e os conflitos inquietantes decorrentes da atual conjuntura política e comunicacional do Brasil e do mundo, foram os protagonistas das discussões e debates. E não poderia ser de outro jeito o fecho do evento, mantendo a coerência pensada pelos organizadores, trazendo ao palco central a comunicação política na coerente interpretação do professor Wilson Gomes.

O professor fez um apanhado histórico da evolução das novas tecnologias, no contexto brasileiro, provocando risos na plateia, ao fazer paralelos entre o velho e novo, no processo de mudanças de plataformas de interação que foram introduzidas na comunicação no decorrer de três décadas. O que ficou de sério em sua exposição é a utilização dessas ferramentas para elevar ao cargo de presidente do Brasil uma pessoa identificada com o espectro abominável da “desdemocratização” e de tiranias que pregam e agem contra direitos sociais e liberdades individuais e coletivas.

Para ele os “ambientes digitais” são definidores da política e da comunicação na vida atual. É nesses espaços que estão sendo organizados e definidos o jogo político e jogo comunicativo, mesmo que aí se conjuguem a ética ou a falta dela, o falso e o verdadeiro. É nesse ambiente que os interesses são colocados às claras ou são mascarados, mas são de qualquer forma expostos. Para ele esse “ambiente digital” não é mídia, não é simplesmente recepção, mas é um lugar de produção e distribuição de conteúdo, um lugar de consumo e transferência. Aí ocorre uma mudança tecnológica do uso digital da comunicação. É nesse cenário, contexto, que se perde ou se ganha uma eleição, segundo Wilson Gomes, ainda mais quando entra em cena o Whatsapp.

O EPCA 2018 agradeceu a parceria da Pró-Reitoria de Relações Internacionais (PROINTER), aa Pró-Reitoria de Pesquisa e Graduação (PROGEP) e de outros setores da instituição que contribuíram para o evento. Neste segundo EPCA foram inscritas 183 pessoas e 46 trabalhos foram apresentados, superior ao registrado no I epca.

Após o debate foi servido “coffee break” juntamente com o lançamento de livros dos professores Luiz Cézar, Leandro Lage e um marcador de livros como pré-lançamento do livro de poesia da mestranda do PPGCom, Bianca Leão.

Texto: Rebeca Rocha e Lázaro Araújo (Comissão de comunicação EPCA)

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×